Obesidade: causas, sintomas, tipos, tratamento e como se prevenir

A obesidade é caracterizada pelo excesso de peso, geralmente, causado pelo sedentarismo e consumo exagerado de alimentos ricos em gordura e em açúcar. A sua existência gera diversos malefícios na vida da pessoa, tais como o desenvolvimento de doenças, do tipo diabetes, pressão alta, colesterol elevado, enfarte ou artrose dos ossos, além de sintomas como dificuldades para fazer esforços, indisposição e baixa autoestima.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), atinge metade da população mundial. A projeção do órgão é que até 2025, caso medidas não sejam tomadas, esse número cresça e registre a incrível marca de 2,3 bilhões de adultos considerados acima do peso e mais de 700 milhões de obesos.

Tipos de obesidade:
Além de ser classificada de acordo com o peso, a obesidade também varia de acordo com a localização e distribuição da gordura pelo corpo:
→ Abdominal: é quando a gordura se deposita principalmente no abdômen e na região da cintura. Esse tipo de obesidade está associada a um grande risco de adquirir doenças cardiovasculares como colesterol alto, doenças do coração, infarto, diabetes, inflamações e trombose.

→ Periférica: mais comum em mulheres, a gordura fica localizada na regiãoi das coxas, quadris e nádegas. Esse tipo de obesidade está associada a insuficiência venosa e varizes, e osteoartrite nos joelhos, além de aumentar o risco de doenças cardíacas e diabetes.

→ Obesidade homogênea: Neste caso, não há uma predominância da gordura em uma área localizada, pois o excesso de peso está distribuído pelo corpo. Isto pode ser perigoso, pois a pessoa pode se descuidar por não haver um grande impacto na aparência física, como nos outros tipos.

Para saber se uma pessoa está ou não obesa, na maior parte das vezes utiliza-se o método clássico: o IMC, que calcula o peso em relação à altura e traz um resultado que pode ser analisado das seguintes formas:
Peso normal: 18.0 a 24,9 kg/m2
Sobrepeso: 25.0 a 29,9 kg/m2
Obesidade grau 1: 30.0 – 34.9 kg/m2;
Obesidade grau 2: 35.0 – 39.9 kg/m2;
Obesidade grau 3 ou obesidade mórbida: igual ou superior 40 kg/m2.

Causas da obesidade:
A obesidade pode ocorrer em qualquer idade e, no Brasil, a quantidade de pessoas que passam por esta situação está cada vez maior, devido ao consumo excessivo de alimentos calóricos, como pão, massas, doces, fast food e comidas prontas, além do sedentarismo, o que faz com que a quantidade de calorias consumidas seja maior do que a quantidade que a pessoa gasta ao longo do dia.

Além disso, distúrbios hormonais ou problemas emocionais como ansiedade ou nervosismo também podem aumentar o risco de obesidade e, por isso, estas situações devem ser tratadas logo que sejam identificadas.

A obesidade infantil também tem sido cada vez mais frequente, pelo excesso de comidas industrializadas, doces e refrigerante, além de cada vez menos atividades ao ar livre.

Sinais e sintomas da obesidade
O excesso de gordura tem efeitos negativos sobre todo o corpo, causando sinais e sintomas desconfortáveis, como:

Falta de ar e dificuldades respiratórias, devido à pressão do peso abdominal sobre os pulmões;
Dores no corpo, principalmente nas costas, pernas, joelhos e ombros, devido ao excesso de esforço que o corpo faz para suportar o peso;
Dificuldade para fazer esforços ou caminhadas, devido ao excesso de peso e descondicionamento do corpo;
Dermatites e infecções fúngicas, devido ao acúmulo de suor e sujeira nas dobras do corpo;
Manchas escuras na pele, principalmente pescoço, axilas e virilhas, uma reação causada pela resistência insulínica, ou pré-diabetes, chamada de acantose nigricans;
Impotência e infertilidade, devido a alterações hormonais e dificuldades para o fluxo sanguíneo nos vasos;
Roncos noturnos e apnéia do sono, pelo acúmulo gordura no pescoço e vias respiratórias;
Maior tendência a varizes e úlceras venosas, devido a alterações nos vasos e circulação sanguínea;
Ansiedade e depressão, devido a insatisfações com a imagem corporal e compulsão alimentar.

Prevenção da obesidade:
A prevenção da obesidade deve ser iniciada desde a infância, adotando hábitos saudáveis pela família e incentivando a prática de atividade física, pois a construção de tais hábitos ocorre nesta fase.

Como tratar a obesidade?
A mudança do estilo de vida, que compreende reeducação alimentar e atividade física, é a base do tratamento clínico da obesidade. A mudança deve ser feita de forma gradual e saudável, pois as dietas que prometem um emagrecimento muito rápido, geralmente, não trazem efeitos duradouros ou são maléficas para a saúde.

 

Gostou dessa matéria? Então confira outras matérias que separamos para você.
ENDOCARDITE: O que é isso?
Brotoeja: o que é, sintomas e tratamentos

SEPSE: diagnóstico precoce é fundamental para tratar a doença
Fique ligado! Fascite plantar é uma das principais causas de dores no pé.
Você sabe o que é queratose capilar?

Marque sua consulta