O que é Eclâmpsia e como ela acontece durante a gravidez

A eclâmpsia é uma doença que na maioria dos casos surge durante os últimos 3 meses de gravidez.  Apesar disso, ela pode se manifestar em qualquer período a partir da 20ª semana de gestação, no parto ou pós-parto. A doença é uma complicação grave na gravidez e é caracterizada por episódios repetidos de convulsões, seguidos de coma, e que pode ser fatal se não for tratada imediatamente.

Causas da Eclâmpsia
As causas da eclâmpsia estão relacionadas à implantação e o desenvolvimento dos vasos sanguíneos na placenta. A falta de irrigação sanguínea da placenta ocasiona a produção de substâncias que ao caírem na circulação, alteram a pressão do sangue e podem causar lesões nos rins, fígado, vasos sanguíneos e sistema nervoso central.

Os principais fatores de risco para o desenvolvimento de eclâmpsia, são:

  • Gravidez em mulheres com mais de 40 anos ou menos de 18;
  • Histórico familiar de eclâmpsia;
  • Gravidez de gêmeos;
  • Mulheres com hipertensão;
  • Obesidade;
  • Diabetes;
  • Doença renal crônica;
  • Grávidas com doenças autoimunes, como lúpus.

Por último, vale ressaltar que a melhor forma de prevenir a eclâmpsia é através de um rigoroso controle da pressão arterial durante a gravidez, além, claro, do indispensável: realizar todos os exames pré-natal necessários para detectar sinais da doença o mais cedo possível.

Sintomas da Eclâmpsia
Entre os principais sintomas da eclâmpsia, estão:

  • Convulsões;
  • Dor de cabeça intensa;
  • Hipertensão arterial;
  • Aumento de peso rápido devido à retenção de líquido;
  • Inchaço das mãos e pés;
  • Inchaço de face;
  • Perda de proteínas pela urina (urina espumosa);
  • Zumbidos nos ouvidos;
  • Dor de barriga intensa;
  • Vômitos;
  • Alterações de visão.

Outra consequência da eclâmpsia é a diminuição do fluxo de sangue para o cérebro, o que pode causar lesões neurológicas, além de retenção de líquidos nos pulmões, dificuldades respiratórias e insuficiência renal ou do fígado.

Tratamento da Eclâmpsia
A única forma de curar a eclâmpsia é o parto. Nos casos em que a doença tenha sido diagnosticada, o médico poderá antecipar o parto, dependendo da fase de gestação. O parto prematuro pode ocorrer entre 32 e 36 semanas de gravidez, se surgirem sintomas de risco de vida. No entanto, existem alguns tratamentos de pré-eclâmpsia que atuam apenas de forma preventiva, ou seja, para evitar o aparecimento da doença.

Vale ressaltar que é fundamental realizar um acompanhamento pré-natal adequado para identificar qualquer complicação o mais cedo possível e iniciar o tratamento o quanto antes.

O Hospital São Matheus conta com especialistas em ginecologia realizando atendimentos (particulares e convênios) no centro médico. Agende sua consulta. 2156-5480 ou hospitalsaomatheus.centraldemarcacao.com.br

Gostou dessa matéria? Então confira outras matérias que separamos para você.

Você sabe o que é sincope?
Gota: da prevenção ao tratamento
Pé Diabético: sintomas, tratamentos e como evitar
Precisamos falar sobre ansiedade

Marque sua consulta